Dani Brasil, o DJ que bombou na World Pride em Nova York e no mundo

Dani Brasil, o DJ que bombou na World Pride em Nova York e no mundo

Dani Brasil, o DJ que bombou na World Pride em Nova York e no mundo. O DJ e influenciador abre o jogo e conta como está sendo viver e se reinventar durante a pandemia.

Se você curte música eletrônica, certamente já ouviu falar no DJ Dani Brasil que se destaca no mercado desde 2017. O artista atualmente acumula mais de 120 mil seguidores nas redes sociais e mais de 1.5 milhões de plays no SoundCloud.

Dani Brasil, o DJ que bombou na World Pride em Nova York e no mundo
Dani Brasil, o DJ que bombou na World Pride em Nova York e no mundo

Dani abriu o jogo com exclusividade e contou como está sendo se manter e se reinventar durante a pandemia que afeta o mundo todo e conta que por ter dupla cidadania, já foi vacinado e está voltando a tocar nos EUA, país onde o controle pandêmico já está altamente avançado:

“A pandemia foi um grande baque para todos nós do meio artístico. O ano de 2020 prometia ser um ano incrível para mim, a minha agenda internacional estava a todo vapor.

Eu tinha apresentações marcadas em lugares como Tokyo, Toronto, Seattle, San Francisco, Dubai, Palm Springs, Sydney, Los Angeles, Dublin. Alguns desses lugares eu iria pela primeira vez e outros eu retornaria para uma nova apresentação. A pandemia veio e cancelou todos os eventos.

Veja Brasil vacinou 10,40% e os USA já atingiu a meta com sobra de vacinas

Dani Brasil, o DJ que bombou na World Pride em Nova York e no mundo

Ficamos presos em casa e tivemos que nos reinventar para não ficarmos pra trás. Esse tempo em casa me ajudou a começar a aprender a fazer produção musical, algo que eu sempre queria mas nunca tive o devido tempo para me dedicar, então me dediquei muito a isso, comecei a produzir e agora já estou com diversas produções lançadas.

O que tem me ajudado ultimamente é por ter dupla cidadania. Já fui vacinado e os eventos nos EUA estão voltando há algum tempo.

Então por conta disso eu tenho viajado para tocar por lá, é o que está me ajudando nesse momento porque infelizmente os eventos no Brasil não voltarão tão cedo.

Confira também Ilha da Record: Saíu o elenco

Espero e torço muito para que a vacinação se acelere por aqui para que possamos voltar a nos encontrar nos eventos da forma segura novamente e mostrar toda a novidade que tenho produzido durante esse tempo.

Viver da arte sempre foi um desafio, é o que eu disse, temos que sempre nos manter em evidência e trazer novidades para o público. Infelizmente não podemos nos apresentar por aqui então temos que nos manter conectados com quem nos segue de outra forma.

Dani Brasil, o DJ que bombou na World Pride em Nova York e no mundo

Seja fazendo lives, digital shows ou soltando lançamentos nas plataformas digitais. Nos dias atuais eu tenho feito constantes produções musicais e lançando online. Estou trabalhando com um gravadora inglesa, a Queen House Music que tem me dado muitas oportunidades para mostrar a minha arte.

Além disso eu sou assessorado por três agências de djs, uma no Brasil, outra que cuida dos EUA/Europa e outra da Ásia, então junto com esse time de profissionais, estamos tentando voltar às apresentações nos locais onde os eventos já estão voltando, sempre da maneira segura e respeitando as diretrizes de cada local.

E torcendo para que em breve eu possa me apresentar por aqui também porque afinal, a minha maior paixão é me apresentar e estar junto do público brasileiro.”

O artista foi um grande destaque na World Pride de Nova York em 2019 (famosa marcha de orgulho LGBTQIA+) e conta como foi tocar no evento que ficou marcado como o mais importante de sua carreira:

“O show que marcou minha vida foi o evento da World Pride em Nova York em 2019. Essa festa foi recorde de público e ficou marcada como a maior pista de dança da história, com um público de 15,000 pessoas! Nesse evento, a cidade de Nova York sediou a pride Mundial, que acontece a cada 2 anos em diferentes cidades do mundo.

Foi a primeira vez que o evento aconteceu em uma cidade das Américas e também foi para celebrar os 50 anos da revolução de Stonewall (revolução que deu origem ao dia do Orgulho GAY). Nesse evento tiveram diversos shows durante o meu set, como a apresentação da cantora Cindy Lauper, Brandy, do grupo STOMP da Broadway, entre outros.”

Já viu A Febre de Kuru reconta, em série de áudio, história do primeiro serial killer do mundo

Dani Brasil, o DJ que bombou na World Pride em Nova York e no mundo

Para finalizar, Dani conta os maiores desafios da vida de DJ e dá risadas com perrengue já vivido em sua carreira:

“Acredito que um dos maiores desafios da carreira é sempre ter que se aprimorar.

O mundo artístico está se renovando constantemente, então, nós DJs temos que estar em constante conexão com o público, trazendo novidades, apresentando um trabalho único, diferenciado, algo que te faça se destacar, trazendo um diferencial, para que aqueles que te seguem, possam sempre voltar e encontrar novidades no seu trabalho.

Para mim, a vida de DJ não basta somente se apresentar em um evento, um DJ precisa se manter em relevância, cuidar da imagem, trazer novidades, ter um diferencial que te destaque e o mais importante, sempre ter uma conexão positiva com aqueles que te seguem.”

https://soundcloud.com/danibrasil/

Fonte Maddeira Comunicação Assessoria de Imprensa – Fotos: Divulgação / Arquivo